Ter um filho menino é ter um príncipe encantado para sempre

Ter um filho menino é ter um príncipe encantado para sempre

O amor materno é tipicamente o relacionamento entre a mãe e seu filho. Embora normalmente ocorra devido à gravidez e ao parto, também pode ocorrer entre uma mulher e uma criança não biologicamente relacionada, como na adoção.

É uma experiência que se desenvolve gradualmente e pode levar horas, dias, semanas ou meses para surgir. Muitos acreditam que o amor precoce idealmente aumenta a resposta e a sensibilidade às necessidades da criança, reforçando a qualidade da relação mãe-bebê.

O amor materno molda culturas e indivíduos. Embora a maioria das mães saiba que seu amor e sua disponibilidade emocional são vitais para o bem-estar de seus filhos, muitas não entendem o impacto profundo e duradouro que têm no desenvolvimento do cérebro de seus filhos. Ensinando-lhes as primeiras lições de amor e moldando suas consciências.

Uma criança nunca deve sentir que precisa conquistar o amor de uma mãe. Isso deixa um vazio em seus corações por toda a vida. O amor de uma mãe deve ser dado incondicionalmente para estabelecer confiança e uma base sólida de intimidade emocional na vida de uma criança.

Se o amor for negado, a criança o procurará de um milhão de outras maneiras. Às vezes, elas procuram durante toda a vida, a menos que cheguem a algum tipo de paz com seu passado.

O amor materno é cego? 

O amor materno, que é o cerne do comportamento materno, é essencial para a relação mãe-bebê e é importante para o desenvolvimento e a saúde mental da criança. No entanto, pouco se sabe cientificamente sobre esses mecanismos neurais em mães humanas.

Nossa visão cultural da maternidade é informada tanto por mitos quanto por equívocos que moldam nosso pensamento sem nossa percepção consciente. Embora esses mitos proporcionem algum conforto social e elevem o status da maternidade, eles também causam danos.

A vergonha de admitir que a maternidade não traz a alegria esperada força muitas mães a negar certos fatos e ao silêncio culpado, a sofrer sem apoio. 

Também os filhos de mães desamorosas são obrigados a sofrer sozinhos e em silêncio, pois poucas pessoas estão dispostas a aceitar a verdade de uma história que se contraria os mitos de amor incondicional que nossa cultura preza.

O desafio de criar “príncipes”

Meninos são enérgicos, barulhentos, ativos e propensos a ser violentos; fazer com que eles ouçam você o tempo todo é um desafio. O objetivo de uma mãe deve ser como educar um menino para ser um bom homem, que se mostre responsável, afetuoso e cheio de caráter.

No mundo dos contos de  fadas,  sempre vimos que há uma menina ou mulher em busca de seu Príncipe Encantado, aquele que realizará seu sonho, que a amará e a tratará como uma  verdadeira princesa.

No mundo real, o conto de fadas é diferente. Na verdade, a pessoa que alguém escolhe amar, em algum grau, personifica seu Príncipe Encantado. Por mais estável que seja um relacionamento, ainda será necessário considerar a realidade ou que o amor pode mudar ou terminar. 

Então, o Príncipe Encantado só existe em contos de fadas? Não. Para as mães, seu verdadeiro Príncipe Encantado é seu filho. Uma mãe projetará um halo de gentileza e honestidade em seu filho, o que, no mundo dos contos de fadas, gira em torno da figura de um Príncipe Encantado.

É com o filho que uma mulher sentirá a emoção de estar profundamente ligada a outro ser humano, aquele que jamais a trairá, como todos gostaríamos que fosse também na vida real. 

Com um filho, a mãe sentirá o coração derreter ao olhar para aqueles dois grandes olhos que a fitam, que sorriem para ela, e que mesmo sem falar a fazem sentir-se valorizada e apreciada como mulher, por tê-lo dado à luz e por mantê-lo vivo, dando-lhe alimento e cuidado constante.

O problema da cultura dos príncipes e princesas

A cultura dos príncipes e das princesas, porém, não ajuda muito as crianças na vida prática. De fato, ela é um problema sério nas sociedades ocidentais. As últimas décadas trouxeram-nos princesas mais fortes e menos tradicionais, como Pocahontas, Mulan, Merida, Moana e outras.

Ainda assim, o resultado sempre permaneceu o mesmo — dezenas de meninas e meninos influenciados por desenhos, marketing e brinquedos infantilizantes.

Essa é a “cultura da princesa”, um termo cunhado por psicólogos, referindo-se ao efeito que as princesas Disney têm nas crianças. Um estudo de 2016 conduzido pela Brigham University  examinou os efeitos da “cultura da princesa” em quase 200 crianças em idade pré-escolar e do jardim de infância.

Tanto meninas quanto meninos — após assistir a filmes, programas de televisão e marketing da Disney. A conclusão geral foi que as imagens que a Disney apresenta às crianças podem não ser totalmente “seguras”.

O estudo descobriu que 96% das meninas e 87% dos meninos consumiam algum tipo de mídia para princesas e concluiu que aqueles que absorveram mais essas mensagens exibiram ou aprovaram comportamentos tradicionalmente subservientes do que aqueles que não o fizeram.

Também concluiu que idolatrar essas princesas pode ser prejudicial à imagem corporal e à autoestima das crianças. Isso porque as princesas e os príncipes de muitos filmes da Disney — especificamente clássicos como “A Bela Adormecida”, “A Pequena Sereia”, “Branca de Neve” e “Cinderela” — são magros e completamente brancos.

É uma imagem idílica e inatingível de como as crianças deveriam ser, o que ignora suas diferenças individuais, tanto físicas quanto psicológicas.

Métodos seguros e realistas para a criação de meninos

Tenha autocontrole acima de tudo

Uma coisa que os pais devem evitar é reagir a brincadeiras agressivas com comportamento punitivo e agressivo. Embora uma surra ou uma repreensão severa possam interromper o comportamento por enquanto, as crianças punidas severamente têm maior probabilidade de se comportar de forma agressiva no longo prazo.

Em vez disso, dê o exemplo de um comportamento educado e certifique-se de elogiar as crianças quando elas forem gentis. Interesse-se pelos interesses delas, como insetos ou robôs, e faça perguntas.

Em seguida, elogie seus filhos se eles acumularem conhecimento sobre diferentes insetos ou se cuidarem bem de brinquedos valiosos.

Enfatize a gentileza

Para desenvolver o lado mais sensível do seu filho, explique a importância da gentileza, compartilhando brinquedos com os amigos e sendo carinhoso com os animais de estimação.

Você também pode ler histórias que se concentram em homens históricos que encorajaram a paz e a igualdade. Discuta como o boxeador Muhammad Ali exibiu extrema força ao mesmo tempo, em que trabalhava pela justiça social ou como Martin Luther King Jr. liderou manifestações pacíficas e poderosas em defesa dos direitos civis.

Procure oportunidades de desenvolver modelos masculinos positivos na vida de seu filho: reserve um tempo com pais, irmãos mais velhos, tios e avôs, desde que eles sejam bons exemplos. 

Incentive a comunicação

À medida que os meninos desenvolvem um papel ativo em aceitar seu lado sensível, pode ser mais fácil para eles falar sobre seus sentimentos. Explicar uma emoção pode ajudar a reduzir a probabilidade de uma explosão emocional.

Os homens da família podem ajudar um menino a compreender os sentimentos, mostrando maneiras positivas de expressar suas próprias emoções. Pode demorar um pouco para que os meninos desenvolvam a habilidade de falar sobre seus pensamentos e sentimentos, portanto, seja paciente e encoraje-o.

Se estiver claro, porém, que algo está errado, mas seu filho não quiser falar, evite pressioná-lo a fazer isso. Simplesmente dê um abraço nele e diga que você estará por perto quando ele estiver pronto para conversar.

Ensine-os a serem confiáveis

Homens de sucesso cumprem seus compromissos e vivem de forma ética. Se seus filhos estiverem apenas assistindo a exemplos na TV aberta, podem ver modelos de homens que são desonestos, infiéis a compromissos e que colocam suas conveniências e conforto à frente de qualquer outra coisa de valor.

Homens de verdade cumprem suas promessas, são honestos mesmo quando não estão sendo vigiados e são dignos de confiança. Seja esse tipo de pessoa com eles e corrija-os quando vir qualquer evidência de desonestidade.

Estimule a responsabilidade

Uma das principais diferenças que distinguem um homem nobre de todos os outros é sua capacidade de se controlar e fazer escolhas que podem ser contrárias aos sentimentos do momento.

Ajude seus filhos a aprender que podem fazer escolhas e se sacrificar por algo de maior valor. Envolvê-los em um esporte, música ou alguma outra atividade que exija algum sacrifício e autodisciplina é uma etapa importante nesse processo.

Quando eles aprenderem que o domínio de uma habilidade requer muitas e muitas horas de prática, muitas vezes deixando de lado outras atividades menos importantes, isso os ensinará o valor da autodisciplina.

Estabeleça regras

Às vezes, quando adultos, nós nos rebelamos um pouco contra todas as regras e consequências em nossas vidas e sentimos falta da infância, quando tínhamos menos obrigações.

Porém, viver em um mundo movido por regras e consequências é uma realidade que devemos ajudar nossos filhos a abraçar. Se você chegar constantemente atrasado ao trabalho ou sair mais cedo, acabará enfrentando problemas no trabalho ou, no mínimo, perderá a confiança de seu empregador.

Portanto, ajude seu filho a se comprometer a viver conforme as regras da casa e imponha consequências quando ele decidir não seguir as regras. Se você não ensinar esse princípio logo, seus filhos aprenderão da maneira mais difícil mais tarde e deixarão um rastro de problemas para trás.

Deixe claro o valor da compaixão

A percepção de que um homem deve ser frio e ocultar seus sentimentos é muito real, mas é prejudicial para relacionamentos de qualidade. Ensine seu filho sobre a importância de pequenas gentilezas, de mostrar compaixão pelos desfavorecidos, de demonstrar amor aos familiares e amigos e de proteger o meio ambiente.

Esses sentimentos, em seu devido lugar e em equilíbrio com o resto de sua vida, irão ajudá-lo a ser um homem responsável e forte. Ensinar pelo exemplo é um papel essencial dos pais. 

Segundo os especialistas, os comportamentos dos meninos são mais culturais do que biológicos. Pais, parentes, colegas, professores e a mídia enviam mensagens aos meninos de que eles devem ser sem emoção, competitivos, fortes e poderosos.

Os meninos podem até aprender que devem esperar tratamento especial de meninas e mulheres e acreditar não haver problema em objetificá-las, porque no fim elas sempre estarão à procura de um “príncipe”.

Felizmente, como muitos desses comportamentos são aprendidos, há coisas que os pais podem fazer para ajudar a orientar os filhos a se tornarem bons homens.

Limite a quantidade de violência e fantasia a que seu filho é exposto e lembre-o de que, embora a raiva e a frustração, sejam sentimentos normais, ele não pode expressá-los de maneiras ameaçadoras para os outros.

Ajude-o a encontrar métodos apropriados para lidar com essas emoções.

Meninos que não são “super-masculinos”, que não se expressam de forma assertiva e agressiva, costumam ser vítimas de calúnias homofóbicas por outros meninos.

Converse com seu filho e ajude-o a descobrir maneiras de lidar com as provocações, se ele as estiver recebendo. Se o seu filho está provocando alguém, responsabilize-o. Lembre-o de que há muitas maneiras de “ser homem”, e que não é legal provocar ou intimidar outro menino porque ele não parece “um príncipe” da Disney.

Entre aqui e veja outras publicações do site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here