Pessoas que criticam as outras são as mais infelizes e depressivas

Pessoas que criticam as outras são as mais infelizes e depressivas

Que razão pode haver para as pessoas que precisam continuamente criticar o que as rodeia para se sentirem bem? Qual pode ser a motivação oculta por trás da crítica destrutiva? O que está faltando no interior que precisa ser preenchido com o exterior? Aqui pode estar a chave para a crítica.

Um estudo conduzido pela Wake Forest University mostrou que as pessoas que criticaram eram, na verdade, as mais infelizes e as que apresentavam maior risco de depressão.

Isso também poderia ser demonstrado com outro estudo recente: este estudo revelou que as experiências de crítica destrutiva, rejeição e humilhação se processam na mesma parte do cérebro responsável por regular a sensação de dor.

Invertendo essa frase, podemos perceber que aqueles que criticam são as pessoas mais insatisfeitas com suas vidas. Pessoas que precisam “rebaixar o exterior para elevar o interior”, pessoas que não se contentam com as conquistas dos outros, pessoas que preferem colocar os problemas para propor soluções, pessoas negativas ou vazias com baixa autoestima.

“Uma percepção positiva do resto das pessoas indica uma satisfação com a nossa própria vida.”

-Dustin Wood-

A baixa auto-estima é a base da crítica destrutiva

O que criticamos sobre as outras pessoas diz mais sobre nós mesmos do que sobre os outros. Quando falamos sobre os outros, na verdade projetamos aspectos de nós mesmos para fora, aqueles que criticam, neste caso, projetam aspectos de sua personalidade ou de seu comportamento que não aceitam e não veem neles, mas em quem eles têm pela frente.

Por isso, pessoas saudáveis ​​e com boa autoestima não criticam continuamente, pois são internamente calmas. Eles se conhecem e sabem o que há neles de que não gostam e é por isso que trabalham com eles próprios e não apenas com estranhos.

Recomendamos:  Este homem se anunciou em um outdoor para encontrar uma namorada

Uma boa auto-estima e um relacionamento saudável consigo mesmo determinam como nos relacionamos com os outros.

O que podemos fazer então? Cada vez que vemos nos outros algo que nos irrita, que nos desagrada, devemos ver que parte disso há em nós, por que isso me afeta? Gosta de estar perto dele? Talvez isso nos aproxime de conhecendo uma nova parte de nós mesmos que pensávamos ser desconhecida.

“Cada um de nós só pode ver o que está em seu coração. Quem não encontra nada de bom nos lugares por onde passou, não encontrará mais nada aqui e em lugar nenhum”.

-PARABLE OF THE OASIS-

Como podemos tornar a crítica positiva?

Antes de criticar, devemos nos perguntar: meu comentário vai ajudar em alguma coisa? Ou seja, forneço informações, conselhos ou algo válido para a outra pessoa, é construtivo ou destrutivo? Se não vou adicionar, por que quero subtrair?

Outra boa pergunta antes de qualquer crítica deve ser: estou criticando algo do outro ou é realmente algo meu que não gosto em mim? Que parte desse comportamento eu não tolero em meu comportamento? O que há nessa crítica que realmente pertence a mim?

E por fim, antes de criticar, seria perfeito usar a empatia, antes de fazer um comentário subjetivo, o ideal seria pensar primeiro como o outro, pois são dois pontos diferentes e duas versões da história que talvez mudem completamente.

Que motivo o levou a agir assim? O que posso contribuir para fazer isso melhorar? Até que ponto meu comentário me afeta ou pode me afetar?

A crítica, quando vem de uma pessoa internamente saudável, é a crítica que contribui e melhora. Pelo contrário, quando são feitos de raiva, ressentimento, inveja ou infelicidade, eles se tornam algo negativo e, por sua vez, destrutivo.

Recomendamos:  Minha filha só peço a Deus que seus filhos, na sua velhice, trate de você. Palavras de uma mãe deixada ao abandono

Photo by Kunj Parekh on Unsplash

Se você gostou desse artigo, entre aqui e descubra mais informações e curiosidades. via: lamenteesmaravillosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *