Quanto mais você dá, mais você recebe, a lei do retorno é uma lei inquebrável

1386

Vivemos em um mundo regido por leis, sejam elas leis da física, leis naturais, leis espirituais, leis civis ou leis de trânsito, elas sempre estão presentes em nosso dia a dia.

Certo homem sempre repetia “você não pode quebrar uma lei da física, ela te quebra primeiro”. Ao ser questionado sobre tal afirmação, ele explicou: “Se você tentar quebrar a lei da gravidade saltando de um prédio pensando que vai voar, a lei da gravidade é que vai te quebrar”.

Nesse caso faz sentido pensarmos na Lei do Retorno como mais uma dessas leis inquebráveis da vida.

O que você sabe sobre a Lei do Retorno? Sua história através dos tempos e a formas que em ela se apresenta ao redor do mundo?

A Lei do retorno já foi abordada em desenhos infantis, filmes, novelas e séries, e mesmo que não tivesse visto nenhuma dessas coisas, toda pessoa já ouviu a expressão “aqui se faz, aqui se paga” ,“Não faça aos outros o que não gostariam que fizessem a você” ou então “o que você semeia, você colhe”.

Além disso, não é apenas uma questão mística ou religiosa, a Lei do Retorno está presente nas relações humanas e biológicas, ela também é científica, comprovada pela física tradicional e pela física quântica e além de tudo é uma lei natural: Só colhemos o que plantamos.

Tal exemplo está no pé de feijão que quase todos plantamos na época da escola. Ele cresce, e depois colhemos os frutos multiplicados, mas os frutos são feijões, não há como plantar feijão e colher morango, esta é a lei natural.

A Lei do Retorno nas religiões

Desde sempre esta lei tem sido abordada: budismo, hinduísmo, cristianismo e outras religiões e filosofias da humanidade também compreendem e acreditam na Lei do Retorno, as vezes chamado de “carma” , “lei da causa e efeito” ou ainda como chama o escritor Paulo Coelho “O eco de nossas ações”.

Recomendamos:  Quando evoluímos pelo nosso próprio esforço agradecemos por tudo, inclusive por quem nos fez mal

Mas todos concordam que, tudo o que fazemos tem consequências. Seria como um bumerangue jogado para o universo, acredite, ele sempre vai voltar, e volta potencializado, volta maior.

A Lei do Retorno e a Ciência

A terceira Lei de Newton diz: “A toda ação sempre há uma reação de mesma intensidade e direção, porém sentidos opostos.” Na física quântica é explicado que cada elétron tem um “spin” giratório para a direita e outro para a esquerda, ou seja, tudo o que vai, volta!

Existe ainda uma outra lei física que diz que tudo o que você foca (ou dá atenção) vai se expandir, ou seja “tudo o que você faz, volta multiplicado para você”

A Neurociência, tem o estudo sobre o neurônio-espelho, que resumindo, diz que a criança imita e potencializa o que vê e o mundo nos reflete como um espelho. Isso não se parece com “o eco de nossas ações”?

A fisiologia explica que os neurotransmissores também provocam uma reação quando por exemplo emanamos algo bom, recebemos este sentimento de volta em forma de serotonina, e se emanamos algo ruim, perdemos serotonina, que é o hormónio responsavel pela sensação de felicidade. Fisiologicamente “recebemos aquilo que emanamos”.

A Psicologia também fala do espelhamento e sobre o pensamento associativo onde um pensamento evoca outro que pode trazer a tona questões do passado por estarem associadas a algo no presente.

Sendo assim psicologicamente também podemos dizer que “toda ação provoca uma reação”.

A Lei do Retorno nas Relações Humanas

Chegamos ao ponto principal: “o que isso tudo tem a ver comigo?” A resposta é: tudo.

A verdade é que estamos todos conectados em um universo imenso e interdependente, se em cada pequeno fenômeno natural podemos identificar uma reação, quanto mais nas relações humanas.

Como bem disse o poeta John Donne: “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme. Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano…” Ou seja, tudo o que fazemos tem consequências.

Recomendamos:  Amizade é uma forma de amar, amigos são tesouros

Somos responsáveis por nós e pelo meio em que vivemos.

Há um filme onde o menino inicia uma “corrente de bondade”, ja vi também uma história circulando na internet a este respeito, tudo o que fazemos é de certa forma o legado que estamos deixando.

Nas relações com o outro, tudo o que fazemos de bom não será simplesmente esquecido, mesmo que em alguns momentos possam haver decepções, pessoas sejam ingratas ou até mesmo cruéis, fazer o bem será recompensado de alguma forma.

Nenhuma atitude de bondade é esquecida, é o nosso bumerangue sendo jogado para o universo, e cedo ou tarde ele retornará. O mesmo vale para quando fazemos ao outro algum mal, o bumerangue sempre volta!

Mas é importante lembrarmos que não podemos, nem devemos assumir as consequências quando alguém é irresponsável com suas próprias escolhas, por mais amor que tenhamos por amigos e familiares, cada um é responsável por aquilo que escolhe semear.

Cada um é livre para plantar as sementes que quiser, mas também deve saber que o que fizer, cedo ou tarde voltará para si e não tentar impor um fardo para as pessoas próximas como se fosse uma vítima de um “mundo injusto e cruel”.

Digo isso porque, cada vez mais, pessoas irresponsáveis tem tido suas consequências amenizadas por familiares e amigos amorosos e assim nunca crescem ou assumem seus próprios erros, elas acreditam que sempre são “injustiçadas”, por isso, tenha o cuidado de não tentar “protegê-los” demais, cada um “merece” as consequências daquilo que escolhe.

Filhos que não fazem seu trabalho escolar a tempo, por exemplo, precisam aprender a se organizar, não pode se exigir que a escola ou os pais assumam as consequências por eles terem esquecido do trabalho.

Recomendamos:  Vamos respeitar e amar quem nos dá a vida todos os dias

Para finalizar, vale refletir que assim como o que fazemos aos outros retorna para nós, toda substância que ingerimos e tudo o que pensamos também produz resultados no nosso corpo físico, é a lei do retorno aplicada à nossa relação com nosso próprio “eu”.

Somos responsáveis por “semear” pensamentos agradáveis, que produzam em nós uma reação de bem estar assim como “plantar” uma alimentação boa e com os devidos nutrientes para provocar um organismo saudável.

<<< voltar ao início