InícioComportamentoMuito tempo na tela do celular pode encurtar sua vida de acordo...

Muito tempo na tela do celular pode encurtar sua vida de acordo com novo estudo

O uso excessivo de nossos telefones pode afetar diretamente quanto tempo vivemos, sugeriu um novo estudo.

Os humanos do século 21 são, na maioria das vezes, propensos a passar boa parte do dia (e da noite) olhando para telas; esse quantidade de tempo muitas vezes ser excessiva.

Acredita-se que, em média, os adultos passem 34 anos de suas vidas com o rosto em uma tela, e um novo estudo analisou como a exposição à luz de nossos olhos pode afetar a expectativa de vida.

Usando moscas da fruta, o Buck Institute for Research on Aging estudou a relação entre a exposição e quanto tempo elas vivem. As moscas da fruta foram escolhidas porque possuem processos biológicos semelhantes aos humanos.

O principal autor da pesquisa, Dr. Brian Hodge, disse que ficou surpreso ao descobrir que o olho pode “regular diretamente” o nosso tempo de vida.

Os ritmos circadianos, o relógio biológico de 24 horas do corpo que regula as funções do nosso corpo ao longo do dia, estão por trás disso.

Os ritmos circadianos se adaptam a vários níveis de luz e temperaturas à medida que nos movemos ao longo do dia, puxando as cordas com os hormônios que nos deixam com fome ou cansados.

Trabalhar em turnos noturnos, assistir TV ou ser exposto à luz à noite pode desequilibrar esses processos corporais cuidadosamente equilibrados, o que pode ser uma má notícia para nossa saúde.

O autor sênior, professor Pankaj Kapahi, disse: “Olhar para as telas do computador e do telefone e ficar exposto à poluição luminosa até tarde da noite são condições muito perturbadoras para os relógios circadianos.

“Isso atrapalha a proteção dos olhos e pode ter consequências além da visão, danificando o resto do corpo e o cérebro.”

Recomendamos:  5 motivos para os casais cozinharem juntos

No passado, o mesmo grupo de pesquisadores descobriu que, ao restringir as dietas das moscas da fruta, elas poderiam aumentar sua expectativa de vida – isso também afetava seus ritmos circadianos.

Eles queriam descobrir quais genes funcionavam como um relógio, descobrindo que não apenas a restrição alimentar tinha o maior impacto, mas também que a maioria vinha de uma parte do olho chamada fotorreceptores, que responde à luz.

Sua pesquisa os levou a descobrir se os genes no olho estão ligados ao tempo de vida, avaliando se a luz no olho pode causar degeneração e inflamação dos fotorreceptores.

“A disfunção do olho pode realmente causar problemas em outros tecidos”, disse o professor Kapahi.

Um experimento descobriu que moscas mantidas em constante escuridão viviam por mais tempo.

“Sempre pensamos no olho como algo que nos serve, para fornecer visão”, disse o professor Kapahi. “Não pensamos nisso como algo que deve ser protegido para proteger todo o organismo.” via:mirror

Gostou do artigo?

Toque nas estrelas para votar.

Média: / 5. Votos:

Até agora ninguém votou, vote você!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais populares