Homens são mais fofoqueiros que mulheres, aponta pesquisa

Homens são mais fofoqueiros que mulheres

Os cochichos estão por toda parte. Caminhe ao longo de qualquer escritório e você ouvirá conversas tranquilas, mas verá os olhos dos participantes um pouco intranquilos para o caso de alguém poder ouvir.

Você acaba presumindo, com razão, que a maior parte dessa fofoca é maliciosa, certo? E você já se perguntou quanto tempo as pessoas passam fofocando?

Talvez, inclusive, você fique surpreso ao saber que, segundo pesquisas recentes, não são as mulheres, mas os homens aqueles que mais fofocam por onde passam.

A parte boa da fofoca

A fofoca pode nos unir, nos acalmar, nos entreter. Às vezes, a fofoca nos leva a melhores meios de subsistência (“Você soube das novas ofertas de emprego?”) ou à resolução de situações domésticas (“Ouvi dizer que seu novo vizinho tem uma creche em casa”). A fofoca pode nos alertar sobre maus comportamentos e pessoas más.

Na maioria das vezes, porém, essa forma de brincadeira nos dá algo que nunca sentimos ter o suficiente: poder. A fofoca é uma forma de tentar recuperar o controle.

Quando outra pessoa é promovida, por exemplo, compartilhar informações ruins sobre ela não é gentil, mas com certeza é reconfortante para muita gente.

A fofoca nem sempre foi vista como perversa. Para as sociedades primitivas, era uma habilidade de sobrevivência usada para desacreditar a reputação dos rivais.

Por meio da fofoca, as pessoas também aprenderam sobre as boas obras de outras pessoas, a quem poderiam tentar imitar. Só mais tarde ela perdeu seu status e passou a significar a conversa tagarela sobre um terceiro.

Jack Levin, professor de sociologia e criminologia da Northeastern University, há muitos anos se interessa pelas diferenças de gênero em torno da fofoca e até escreveu um livro sobre o assunto na década de 1980.

Ele suspeita que ela passou a ser associada às mulheres como uma forma dos homens desacreditá-las. Sua pesquisa também descobriu que os homens, desde adolescentes que falam sobre meninas até empresários de meia-idade que criticam estrelas do esporte, fofocam muito.

Embora as mulheres sejam mais propensas a falar sobre relacionamentos, quando se trata de informações desagradáveis e perversas, os homens fazem isso tanto quanto as mulheres, acredita Levin.

Por que fofocamos?

A maioria de nós fofoca por um motivo muito menos cínico: estamos genuinamente interessados ​​em outras pessoas. Não podemos deixar de nos comunicar.

A fofoca é uma forma de criar uma rede de informações, uma forma de dizer: “Ouvi falar de algo que me deixou curioso”. Nesse sentido, é uma coisa boa. Une a comunidade. 

Como os homens fofocam?

Estudos da University of Virginia, da Northeastern University em Boston e da University of Wisconsin confirmam que a fofoca é universal e neutra em relação ao gênero.

Uma pesquisa descobriu que os homens têm períodos de atenção mais curtos no trabalho e tendem a se distrair mais rapidamente do que as mulheres, o que faz deles mais propensos a vagar por assuntos paralelos do que o gênero feminino.

Muitos estudos recentes apresentaram as mesmas descobertas, reforçando a noção de que os homens são piores em guardar segredos e de que eles se rendem a mais bate-papos superficiais do que as mulheres.

Um deles até afirma que os homens compartilham informações confidenciais em três horas (especialmente sobre assuntos de escritório e sobre romances), graças às redes sociais, enquanto as mulheres resistem por quase 40 minutos a mais.

Outra pesquisa realizada menos recentemente também descobriu que os homens gastam 30% mais tempo fofocando do que as mulheres, isso no local de trabalho, enquanto as mulheres fofocam mais em casa. 

Como as mulheres fofocam?

Um novo estudo da Universidade da Califórnia em Riverside constatou que as mulheres não se envolvem em mais fofocas maliciosas do que os homens, nem que as pessoas de baixa renda fofocam mais do que suas contrapartes mais abastadas, como muita gente costuma pensar.

Também afirmou que as pessoas mais jovens são mais propensas a fofocar negativamente do que os mais velhos.

Conforme essa pesquisa, as pessoas fofocam em média 52 minutos por dia. “Há uma surpreendente escassez de informações sobre quem fofoca”, segundo Megan Robbins, professora assistente de psicologia que conduziu o estudo com Alexander Karan, um estudante graduado em seu laboratório.

A ciência da fofoca

Se você vai olhar para a fofoca como um acadêmico, um cientista, esqueça o julgamento de valor que atribuímos à palavra. A fofoca, na visão do acadêmico, não é ruim. É simplesmente falar sobre alguém que não está presente. Essa conversa pode ser positiva, neutra ou negativa.

Com essa definição, seria difícil pensar em uma pessoa que nunca fofoca, porque isso significaria que a única vez que ela mencionaria alguém seria na presença da primeira.

Essa pessoa avessa à fofoca nunca poderia falar sobre uma celebridade a menos que ela estivesse presente na conversa, por exemplo. Isso não apenas seria difícil, mas provavelmente pareceria estranho para as pessoas ao redor, pois o indivíduo não fofoqueiro se tornaria isolado do mundo.

Na pesquisa, Robbins e Karan analisaram dados de 467 pessoas (269 mulheres e 198 homens). Os participantes tinham de 18 a 58 anos e usaram um dispositivo de escuta portátil que Robbins emprega em sua pesquisa.

Esse dispositivo mostra o que as pessoas dizem ao longo do dia; cerca de 10% de sua conversa é gravada e depois analisada pelos assistentes de pesquisa.

Os assistentes de pesquisa consideravam a conversa como fofoca se fosse sobre alguém ausente. Ao todo, houve 4.003 casos de fofoca. Eles, então, filtraram a fofoca em três categorias: positiva, negativa ou neutra.

Os assistentes decodificaram ainda mais a fofoca, anotando se era sobre uma celebridade ou um conhecido, o assunto e o gênero do parceiro de conversa.

Entre os resultados, surgiu que os mais jovens se envolvem em fofocas mais negativas do que os adultos mais velhos. A cada 16 horas acordados, os participantes fofocaram em média por 1 hora, e três quartos das fofocas eram neutras.

Em segundo lugar, veio a fofoca maliciosa, e só então a fofoca positiva. A expressiva maioria das pessoas fofocou mais sobre conhecidos do que celebridades.

Segundo o Social Issues Research Center (SIRC), na Inglaterra, os homens são mais propensos a fofocar com colegas de trabalho, parceiras amorosas e amigas; as mulheres preferem fazer isso principalmente com amigas e parentes.

Os homens fofocam sobre trabalho, política ou outros tópicos intelectuais menos de 5 por cento do tempo e passam muito mais tempo do que as mulheres falando sobre si mesmos.

Um resultado final? Todo mundo fofoca. A fofoca está em todos os lugares, gêneros e classes sociais.

Pergunte a qualquer homem se ele fofoca e ele certamente responderá em voz alta e veemente: “não!” Mas, é claro que sabemos que isso simplesmente não é verdade. Homens fofocam.

Um ponto central a lembrar, porém, é que a maioria dos homens não é desonesta quando diz que não faz fofoca. Muitos simplesmente consideram suas fofocas como networking.

Um homem pode sentir que não está fofocando se estiver falando sobre si mesmo.

Por exemplo, se um homem teve um encontro com uma colega de trabalho e, na manhã seguinte, o amigo perguntou-lhe como foi o encontro, a maioria dos homens não consideraria esse tipo de conversa como fofoca.

Mas, embora ele esteja falando sobre si mesmo, ele também está discutindo informações pessoais sobre outra pessoa. Mesmo que essa informação não seja maliciosa, ainda é fofoca.

Entre aqui e veja outras matérias do site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here