Como eu finalmente deixei um relacionamento abusivo depois de 9 anos

Como eu finalmente deixei um relacionamento abusivo depois de 9 anos

Já se passaram quatro anos desde que tomei a decisão mais corajosa da minha vida – deixar meu relacionamento mentalmente abusivo. Mesmo assim, meu ex-marido ainda acha que pode me manipular – que é uma das razões pelas quais quero compartilhar minha história com a Cosmopolitan.

Quero impedir que outras mulheres passem por um horror que, até hoje, ainda estou lutando contra.

Quando ficamos juntos, eu estava no mesmo grupo de amizade de Damian * por alguns anos. Depois que fui brutalmente estuprada quando tinha 20 anos, Damian foi a primeira pessoa em quem confiei. Ele agiu como minha rocha: levando-me a consultas médicas e indo e voltando do trabalho.

Comecei a me perguntar como faria isso sem o apoio dele. Eu rapidamente fui morar com ele, já que não suportava ficar na casa de minha infância, onde o estupro aconteceu. Meus pais ficaram chateados, mas conheciam Damian e aceitaram sua palavra de que ele me protegeria e cuidaria de mim.

Nós nos tornamos um casal e eu me senti segura – tanto que, embora não estivesse realmente atraída por ele, pensei que se nos separássemos, eu não teria ninguém. Era melhor permanecer com minha rede de segurança do que ter de seguir sozinha – ou assim pensei.

Eu precisava me sentir amada, mas em vez disso, fui manipulada para me sentir desprezível

Gradualmente, tornei-me mais forte e o ‘velho eu’ começou a florescer – foi quando percebi como Damian me tratava mal. Ele me insultava – me chamando de gorda, embora eu estivesse quase abaixo do peso – e ria de mim quando eu estava vestida e pronta para sair.

Eu precisava me sentir amada, mas em vez disso fui manipulada para me sentir repulsiva. Quando saíamos com amigos, ele esperava até que eu estivesse bêbada e depois discutia comigo para me fazer chorar, então eu parecia uma rainha do drama. Amigos sentiram pena dele ter que ‘cuidar de mim’.

Sempre que eu saía sozinha com minhas amigas, Damian ligava constantemente e enviava mensagens para saber quando eu estaria em casa. Ele me fazia sentir culpada se eu ‘ousasse’ beber depois do trabalho com as meninas, ou mesmo ir ao teatro com minha mãe.

Os amigos começaram a notar que eu estava sempre pisando em ovos, preocupada em chegar em casa caso ele gritasse comigo por estar atrasada.

Sempre fui ambiciosa – uma talentosa cantora / compositora e violinista, com muitos outros hobbies. Mas parei de fazer a maioria porque ele sempre me desencorajava. Eu acreditava que não tinha valor.

Claro, ele fazia o que queria – embora, eventualmente, o único lugar que eu pudesse ir era a academia. Minha confiança despencou. Eu me sentia pouco atraente, mas ansiava pela aprovação de Damian. Ele me teve exatamente onde ele me queria.

Eu sabia que não deveria ter me casado com ele

Ele só me bateu uma vez, mas a brutalidade de sua língua foi tão cortante quanto um soco no rosto, e ninguém viu os hematomas internos que ele estava causando.

Nossa vida se*ual também era clínica e fria, e Damian até usou seu conhecimento do meu estupro como uma arma contra mim. Perdi a conta de quantas vezes ele me chamou de ‘aberração’ na cama.

Eu sabia que não deveria ter me casado com ele. Mas eu estava muito envolvida. A proposta, sete anos depois de ficarmos juntos, era um anel colocado no meu colo com um casual, “Bem, sim?” – as palavras preciosas que toda garota sonha de seu Príncipe Encantado…

Eu sabia que estava cometendo um erro terrível, mas antes que eu percebesse, o casamento havia sido organizado e pago – e eu estava com medo. A essa altura, eu era tão dependente de Damian e tão isolada de meus amigos e família que achava que se não me casasse com ele, não teria ninguém.

O único controle que senti que tinha veio na forma de um distúrbio alimentar e automutilação, que infligi a mim mesma cortando os braços. Essas coisas eram minhas – coisas nas quais ele não podia intervir.

Eventualmente, 18 meses após o casamento, tomei uma overdose. Damian ficou perto de mim, forçando mais comprimidos em minha boca, me dizendo para “fazer um favor a todos e simplesmente morrer”. Nunca vou esquecer essas palavras.

Cubra essa gordura, é um desligamento

Mesmo assim, eu não fui embora. Mas a gota d’água veio quando, uma noite, eu me vesti com lingerie sexy para ‘fazer um esforço’, embora fazer se*o com ele me enojou.

“Cubra essa gordura, é uma reviravolta”, ele rosnou.

No dia seguinte, eu deveria encontrar meu irmão e sua namorada na cidade – mas Damian decidiu cinco minutos antes de partirmos que ele não se importaria em ver minha família. Foi então que senti uma onda de força – e disse a ele que queria o divórcio.

Foi um alívio saber que estaria livre – embora soubesse que ele não tornaria minha partida fácil. Uma liminar significava que ele não poderia chegar perto de mim, então, em vez disso, ele entraria em casa e roubaria minhas coisas quando eu estivesse fora.

Fiquei com quase nada – mas ainda tinha minha sanidade, que era a coisa mais preciosa de todas. Quando finalmente vendemos nossa casa, 18 meses depois de pedir o divórcio, eu poderia finalmente fechar a porta para os anos horríveis que passei sob seu feitiço maligno.

Hoje, estou seguindo em frente com minha vida – embora Damian ainda não esteja completamente fora disso. Estou vivendo meus sonhos, lentamente percebendo meu valor e fazendo todas as coisas que não era capaz de fazer quando estava com ele.

Isso é o mais forte que já senti na minha vida

Algumas semanas atrás, ele me ligou pedindo dinheiro. Eu não tenho certeza se ele nunca vai embora completamente. Mas ter a força para dizer “não” a ele me mostrou que ele não pode mais me intimidar, me fazer tremer de medo ou ter um grama de controle sobre mim.

Ele não tem mais nenhum direito à minha vida, sonhos, ambições ou pensamentos. Isso é o mais forte que já senti em minha vida.

Estou compartilhando esta história para aquelas mulheres que estão atualmente em um relacionamento como aquele em que eu estive presa por nove longos anos, e imploro a elas que confiem em alguém que irá ajudá-la a ir embora. Você pode fazer isso – e acredite em mim, você nunca olhará para trás e se arrependerá.

Você merece o melhor da vida – e nunca deve deixar ninguém lhe dizer o contrário.

Foto de capa meramente ilustrativa: Foto de Yoann Boyer no Unsplash

Se esse artigo foi útil para si, clique aqui e descubra mais informações e histórias interessantes. via: cosmopolitan

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here