Casal concorda em dividir a loteria se ganhassem. Quando o fizeram, ela fugiu com todo o dinheiro

Casal concorda em dividir a loteria se ganhassem. Quando o fizeram, ela fugiu com todo o dinheiro

Ele disse que eles concordaram em dividir os ganhos. Mas quando eles tiraram a sorte grande, ela simplesmente se separou.

Lynn Anne Poirier e Howard Browning viviam juntos na casa de Poirier quando fizeram um acordo verbal: se algum deles ganhasse na loteria, eles dividiriam os ganhos em 50/50.

O casal de Sanford, Flórida, não era apenas um jogador de loteria ocasional. Eles compravam bilhetes com a maior frequência possível e, nos dias anteriores à Powerball, até viajavam para o norte para tentar a sorte em loterias de grande número na Geórgia e na Carolina do Sul.

Em 2 de junho de 2007, eles pararam em uma loja de conveniência, onde cada um comprou ingressos para o grande sorteio do Firecracker Millionaire da Florida Lottery.

Browning conta que, como de costume, a dupla (que tinha 53 anos na época) colocou os ingressos na lareira de sua casa. Então, depois do sorteio de 4 de julho, Poirier não voltou para casa.

Confuso e preocupado, Browning acabou pensando em verificar os bilhetes de loteria e descobriu que um dos que Poirier havia comprado, o n.º 666168, estava desaparecido.

Foi o bilhete vencedor. Poirier havia recolhido o dinheiro – $750.000 após os impostos – e não voltou para casa por um mês. Quando ela finalmente voltou, Browning pediu sua metade dos ganhos, mas ela se recusou a compartilhar. 

Seis meses depois, Browning processou Poirier por quebra de contrato oral. A história tinha dois lados, é claro. Poirier afirmou que eles nunca concordaram em dividir nenhum prêmio, que ela mesma comprou o ingresso, que eles se separaram meses antes de comprar os ingressos (ela disse que morava com a mãe) e que ela acabou esbarrando com ele na loja de conveniência naquela noite por acaso.

Browning manteve seu contrato não escrito. Ele alegou que realmente pagou pelos bilhetes de loteria (e tinha um recibo do caixa eletrônico para provar isso) e que eles pararam na loja naquela noite depois de jantarem juntos no Red Lobster.

Mas o que ele disse / ela disse foi ofuscado no tribunal pela alegação de Poirier de que, mesmo que eles tivessem feito o negócio, ela estava protegida pelo Estatuto de Fraudes da Flórida.

A lei estabelece que um contrato que não seja capaz de ser executado dentro de um ano “deve ser reduzido a escrito para que seja exequível”.

Como Poirier ganhou 14 anos depois de terem supostamente fechado o negócio, Mark Sessums, o advogado de Poirier, argumentou que o contrato era nulo e sem efeito porque eles nunca o haviam redigido.

O vencedor da loteria teve que honrar um acordo verbal para dividir seus ganhos? Você é o juíz.

O veredito

Sim ela fez. Depois que o tribunal de primeira instância e o Quinto Tribunal de Apelação da Flórida decidiram por Poirier em 2012, Browning apelou para a Suprema Corte da Flórida – e venceu.

Poirier estava certo: o acordo não foi executado dentro de um ano, porque eles ainda não haviam vencido. Mas eles poderiam ter vencido, e isso fez toda a diferença.

A suprema corte considerou que, como o acordo verbal poderia ter sido concluído em um ano, ele não precisava ser feito por escrito para ser executável.

Portanto, o tribunal enviou o caso de volta para um novo julgamento. Desta vez, em fevereiro de 2016, Poirier perdeu; ela foi condenada a pagar a Browning $291.000.

No entanto, seu advogado, Sean Sheppard, chamou isso de “uma vitória vazia” porque, um mês depois, Poirier disse que ela havia gasto todo o dinheiro e pedido falência. Browning agora está contestando essa afirmação.

Foto de capa meramente ilustrativa: Photo by Erik Mclean on Unsplash

Se você gostou do que leu, clique aqui e descubra mais informações curiosas e interessantes. via: rd

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here